segunda-feira, 21 de julho de 2008

Você vem?

estar sempre atento e ouvir os pedaços caindo. cuidado sempre, pra virar o rosto antes de cair. você sabe que nós estamos fazendo o que não devíamos. expressões repitidas. se está cansado diga e venha quando lhe ocorrer. não fique aí parado. estenda a mão até o troco do que você pagou pra ver chegue. não diga a mesma coisa se não vai tomar pra você e cuidar. a gente cuida de algumas coisas e as mastiga na madrugada. os farelos precisam ser limpos, os faróis acendem e a nossa frente uma árvore. não cabemos num carro. só ele veio hoje. amanhã ainda é o que eu ouço. outro dia nunca é o que amanhece. as reticências vão furando a página. ficar atento. não se pode mudar os lençóis e procurar o mesmo cheiro. metáfora de trabalho. se eu fosse um quadro de avisos estaria cheio. está se aproximando o momento. onde os passos ficam marcados nem sempre é onde estamos. nem sei se é o que podemos. eu reviso a sequência. ontem tinha um filme velho sobre um time na tv. já tinha visto. faz tempo. faz uma hora. ninguém chega. ele disse que podia e ficou. mais duas ou três horas. ninguém. sabe o que queremos? falta tanto pra que alguém diga. a história já é uma piada. eu não sei a piada. eu não sei se estou esperando. "a verdade tem pouco a ver com a realidade, e a questão se é que há alguma, é gravar a verdade" (Sarah Kane, Crave).

2 comentários:

meL disse...

Eu vou. Estou indo. Chegarei se nada me derrubar no caminho.

Van disse...

Quando eu chegar eu reconheço?